Perfil

Nasceu em 21 de março de 1964, em uma pequena cidade do sertão da Paraíba. Aos cinco anos, seus pais se mudam para Mato Grosso e, depois, para Rondônia.(...)
Saiba mais.

Vale a pena

Arquivo de julho de 2010

O caminho errado do etanol

O Porto de Suape recebeu, na semana passada, um navio com um carregamento curioso. Foram pelo menos quatro milhões de litros de álcool combustível a partir do milho, vindos dos Estados Unidos. A mercadoria representa uma contradição em um País pioneiro nos biocombustíveis e pioneiro nas fontes de energia renováveis e no álcool. E representa outra contradição por aportar em um Estado com a tradição da cultura da cana-de-açúcar para a produção do etanol. Leia mais… »

Petróleo: meio ambiente em questão

O Brasil começou a explorar o petróleo da camada do pré-sal. Segundo o Governo Federal, sua grande mina de ouro. Desde que se começou a falar em pré-sal, o assunto tomou uma proporção cega. Acontece que o País não tem experiência em exploração de petróleo em tão grande profundidade. Nessa perspectiva, um estudo aprofundado antes de qualquer ação se faz imprescindível, sob pena de se correr riscos catastróficos para o meio ambiente. Vejam o triste exemplo do desastre do Golfo do México. Leia mais… »

O Brasil não está pronto para crescer

O crescimento econômico brasileiro é evidente. Justamente por conta desta expansão, o Comitê de Política Monetária (Copom) modificou a tendência de baixa da taxa básica de juros, a Selic, para iniciar um período de alta nas últimas reuniões. É a demanda de consumo e a ampliação nos projetos de infra-estrutura do País que estão ditando as regras. No entanto, como escrevi alhures, o incremento nestes investimentos não está sendo acompanhado de mão de obra capacitada. Ou seja, o Brasil conta com grandes obras estruturadoras, mas falta gente capacitada para ocupar as vagas que estão por vir.
Leia mais… »

Brasil: pronto para 2014?

A Copa do Mundo deste ano terminou, e não foi desta vez que o Brasil levou a taça. A expectativa em nossa Seleção ficou toda na próxima edição dos jogos, em 2014, quando o mundo virá jogar em terras brasileiras. Mas o que parece ser positivo pode não ser a melhor notícia, de fato. O Brasil está mesmo preparado para abrigar um evento deste porte? Está apto para aprimorar tanta infraestrutura a tempo? Será mesmo que estamos prontos para receber o volume de visitantes que chegará com a Copa do Mundo? Leia mais… »

Quem disse que não sabemos votar?

Pelé ficou famoso por sua genialidade com as bolas nos pés. E quase tão famoso pela infelicidade de suas declarações. Talvez, a mais famosa delas tenha sido a frase: “brasileiro não sabe votar”. Foi dita nos anos 70, ao ser questionado sobre a decisão dos governos militares de suspender eleições diretas para cargos do Executivo. Eram outros tempos. Vivíamos sob regime de exceção. A Imprensa estava amordaçada, os movimentos políticos e estudantis reprimidos, enfim todas as garantias constitucionais suspensas. A realidade é que diante dos fatos vividos na política brasileira, após a volta da democracia, temos que admitir que muitas pessoas ainda pensam como o Pelé.

Mas o eleitor brasileiro de hoje é diferente do eleitor daquela época. Não só porque a situação política do País mudou, mas porque ele é mais informado e experimentado. Tem mais prática. Um eleitor de apenas 25 anos pode ter votado mais de 20 vezes se considerarmos primeiro e segundo turno e dois plebiscitos, um sobre posse de armas e outro sobre forma de governo. Um eleitor com 42 anos pode ter votado 60 vezes. Leia mais… »

Os grandes entraves do Brasil

O receio pelo retorno da inflação volta a preocupar os brasileiros. A alta carga tributária e os custos financeiros também assustam, mas, apesar de estes serem temas que atormentam o País, não são os que temos de mais grave hoje. A dívida interna e os juros altos, estes sim são o grande problema brasileiro. Um problema que nos acompanha há muitos anos e, ao invés de ser resolvido ou ao menos controlado, cresce a cada segundo.

Somente com pagamento de juros da dívida pública interna nos últimos doze meses foram R$ 179 bilhões, ou cerca de 5,42% do nosso PIB (Produto Interno Bruto). O valor é quase quatro vezes maior do que a capacidade de investimento do Governo Federal. Como a dívida é atrelada a Selic, a taxa básica de juros, cada 1% a mais na Selic significa um incremento de quase R$ 20 bilhões de pagamento do serviço da dívida interna. E, para agravar a situação, a Selic parece ter entrado em uma tendência de alta, o que torna o problema ainda maior. Segundo o Banco Central, a pretensão é de elevar a taxa em aproximadamente 3% durante o ano e pelo menos metade disso já aconteceu neste primeiro semestre. Leia mais… »

O que poderia ter sido evitado

A tragédia que tomou conta dos estados de Pernambuco e Alagoas, deixando centenas de famílias desabrigadas devido às chuvas que caíram este mês, deixou um saldo que ultrapassa os prejuízos financeiros. A preocupação é com a omissão do governo. Hoje milhares de brasileiros dão exemplo de solidariedade, mas se há um fato triste nesta história é saber que as enchentes que atingiram os municípios poderiam ter sido evitadas.

Pelo Programa de Prevenção e Preparação para Desastres, do Ministério da Integração Nacional, estava previsto o investimento em áreas de risco, a exemplo de drenagem, contenção e canalização de rios e córregos. No entanto, foram injetados apenas 14% dos R$ 508,3 milhões que deveriam ser utilizados para esta finalidade este ano. Ou seja, não foi por falta de dinheiro que a tragédia aconteceu, mas por falta de aplicação desses recursos.

Leia mais… »