Perfil

Nasceu em 21 de março de 1964, em uma pequena cidade do sertão da Paraíba. Aos cinco anos, seus pais se mudam para Mato Grosso e, depois, para Rondônia.(...)
Saiba mais.

Vale a pena

Arquivo de maio de 2009

Cursos tecnológicos

Aimplantação dos Cursos Superiores de Tecnologia (CST), como uma das modalidades da graduação e integrada às diferentes formas de educação, ao trabalho, à ciência e à tecnologia, revela preocupação efetiva com o desenvolvimento sustentável do Brasil. Os CST propiciam formação direcionada às necessidades do mundo do trabalho, além de possibilitar o ingresso de uma parcela significativa da população à educação superior com aquisição de competências profissionais, tornando os cidadãos aptos para a inserção em setores profissionais nos quais haja utilização de tecnologias. Esses cursos conduzem a diplomas de Tecnólogos e os seus projetos pedagógicos devem garantir extrema sintonia com o mundo do trabalho.Trata-se, portanto, de um curso de graduação com características especiais, bem distinto dos tradicionais, cujo acesso se dá, no entanto, por meio de processo seletivo discente semelhante aos dos demais cursos de graduação (bacharelados e licenciaturas).

A organização curricular orienta-se pelos eixos tecnológicos Ambiente, Saúde e Segurança; Controle e Processos Industriais; Gestão e Negócios; Hospitalidade e Lazer; Informação e Comunicação; Infraestrutura; Produção Alimentícia; Produção Cultural e Design; Produção Industrial e Recursos Naturais. Esta organização, segundo o Parecer CNE/CES Nº. 277/2006, homologado pelo MEC em 11/6/2007, “favorece a reestruturação disciplinar, evitando redundâncias, inflexibilidade curricular e modernizando a oferta de disciplinas. Uma das vantagens dessa nova organização é a possibilidade de transitar entre cursos semelhantes com mais facilidade. A organização em grandes eixos é o modo mais adequado para estimular o progresso industrial em linhas prioritárias de governo.”

Face ao exposto e por acreditar nos princípios e diretrizes norteadoras dos CST, expressos na legislação, as Instituições de Educação Superior (IES), especialmente as de natureza privada, responderam positivamente às expectativas do governo, oferecendo Cursos Superiores de Tecnologia em todas as áreas que integram os referidos eixos tecnológicos. Os cidadãos, de várias faixas etárias e de perfis distintos, isto é, jovens egressos do ensino médio, trabalhadores, pessoas da terceira idade, também acreditaram nessa possibilidade de formação em nível superior, em um tempo menor, com foco no mercado de trabalho. A sociedade, representada pelos cidadãos, pelos empresários e pelos educadores, assumiu o desafio de incrementar os CST e de se posicionar como parceira do MEC no processo de construção deste novo saber fazer.Pode-se constatar que esses cursos ganharam destaque no cenário da Educação Superior (ES) a partir da Resolução CNE/CP Nº. 3, de 18/12/2002, que instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a organização e o funcionamento dos CST, analisando a série histórica, de 2003 a 2007, dos Censos do Inep.

Na contramão deste processo histórico, esses parceiros foram surpreendidos, recentemente, com os novos instrumentos de avaliação para fins de autorização e de reconhecimento de CST com exigências idênticas ou até maiores que as estabelecidas para os cursos de bacharelados e licenciaturas. São indicadores e critérios de análise que valorizam, intensamente, titulação e regime de trabalho docente em detrimento da atuação profissional no mercado. Neste contexto, é oportuno que se inicie debates sobre a trajetória, a importância, a situação e o destino dos Cursos Superiores de Tecnologia à luz das novas exigências do MEC, considerando a função social e os postulados preconizados na legislação da Educação Superior sobre esta modalidade de graduação, que tem como base epistemológica a articulação entre a ciência, a tecnologia e o conhecimento real do mundo do trabalho.

Reformas em Pauta

Certamente, nas próximas eleições presidenciais, a eficiência do estado será debatida. Os diversos candidatos à presidência da República proporão reformas, dentre estas, as reformas política, tributária e previdenciária. A reforma política é necessária, pois a construção de novos arranjos institucionais poderá fazer com que o Congresso Nacional deixe de ser notícia negativa na mídia. Fidelidade partidária e voto distrital são regras que precisam ser implantadas. É necessária a reforma tributária, pois, através dela, o setor produtivo da sociedade poderá adquirir condições de gerar mais empregos. Além disto, os estados poderão conquistar maior capacidade de investimento público. A expectativa de vida do brasileiro aumentou. Em contrapartida, não se observa variação positiva da taxa de natalidade em algumas regiões do Brasil. Deste modo, é necessário considerar o gasto previdenciário. Pois, em algum instante, o estado brasileiro não terá condições de bancar as aposentadorias. Estas reformas têm o objetivo de tornar o estado eficiente, isto é, atender de modo satisfatório as demandas da sociedade. Contudo, são necessárias outras reformas. É imprescindível reformar a gestão do estado, em particular, a prioridade do gasto público. A implementação de políticas públicas que visem emancipar economicamente os desprovidos de capacidade econômica deve ser prioridade do poder estatal.