Perfil

Nasceu em 21 de março de 1964, em uma pequena cidade do sertão da Paraíba. Aos cinco anos, seus pais se mudam para Mato Grosso e, depois, para Rondônia.(...)
Saiba mais.

Vale a pena

Arquivo de novembro de 2009

Iniciativa privada e educação

Não restam dúvidas quanto ao fato de que o poder estatal deve ser o responsável pela oferta da educação. A Constituição Federal em seu art. 205 vaticina ser a “educação, direito de todos e dever do Estado…” Então, o estado precisa fornecê-la. Contudo, isto não significa que só o estado deve prover educação. A iniciativa privada tem o seu papel, inclusive em razão de que nem sempre o estado – em razão de diversos motivos, entre eles, o fiscal – tem condições de prover educação de qualidade para todos. É o que estipula o art. 209 também da Constituição Federal quando frisa que “o ensino é livre à iniciativa privada…”.

Diante da limitação fiscal, surge a indagação, que é eterna: em qual nível educacional o estado deve priorizar o investimento? Ensino básico, ensino médio ou ensino superior? Ou o estado deve ser responsabilizado por todos os níveis? Acho que não. Basta analisarmos o disciplinado no artigo 208 da Constituição Federal , que chegamos à conclusão de que o Estado deve priorizar a educação básica, deixando a superior para a iniciativa privada.

Priorizar a educação básica representa a criação da igualdade de condições. E, por consequência, o surgimento da igualdade de oportunidades. Indivíduos com condições de aprendizados semelhantes poderão estar com aptidões similares no futuro. Neste sentido, a desigualdade social tende a não ser exacerbada.

Por outro lado, oportuno enfatizar que também existe também um componente moral. O estado, considerando a definição de estado moderno de Max Weber, deve ser imparcial e impessoal. Este é o tipo ideal do estado weberiano. Portanto, o estado deve ser instrumento para reduzir a desigualdade entre os indivíduos. Considerando que a educação é ferramenta eficiente na amenização das desigualdades sociais, o estado deve optar, portanto, por oferecer educação básica de qualidade a todos.

No entanto, faz-se necessário ao estado definir prioridades, pois a sua condição fiscal não lhe permita investir adequadamente em todos os níveis educacionais. É diante desta questão que surge a necessidade da iniciativa privada ofertar educação, principalmente a superior.

Os participantes do World Innovation Summit for Education (Wise) – encontro ocorrido em Dohar, no Qatar, no mês de novembro deste ano, que reuniu especialistas em educação de mais de 120 países – concluíram que o setor público deve empreender esforços com o objetivo de oferecer mais recursos para a educação. No entanto, eles concluíram também que a melhoria educacional da população requer ação ativa da iniciativa privada (Folha de São Paulo, 24/11/2009). Ou seja, como a educação consiste num instrumento prioritário para o desenvolvimento das nações, os estados não podem prescindir da iniciativa privada para ofertá-la. Por outro lado, em recente evento realizado em São Paulo, o Presidente Lula reconheceu a importância da iniciativa privada no desenvolvimento brasileiro.

Para se ter uma ideia da importância do setor privado, este é responsável por 54% dos investimentos em educação de nível superior nos Estados Unidos. De acordo com o Ministério da Educação do Brasil, o setor privado no ano de 2007 representava 47,5% das universidades no país, 92,5% das faculdades e 96,7% dos centros universitários.

Os dados acima destacados evidenciam que a participação do setor privado na educação é uma realidade em razão da necessidade, isto é: o estado não tem condições fiscais de oferecer solitariamente educação de qualidade para todos nos diversos níveis. E a sociedade necessita de indivíduos capacitados para não voltar à barbárie.

O governo brasileiro precisa reconhecer a necessidade de caminhar junto com a iniciativa privada no provimento de educação. É possível, por exemplo, o estado atuar como indutor dos investimentos privados na educação através de incentivos fiscais. Ou de tornar célere a autorização para o funcionamento de cursos.

É claro que o estado não pode esquecer-se de cobrar qualidade das instituições educacionais privadas. É importante, inclusive, a criação de uma agência reguladora para fiscalizar e orientar as instituições. Ressalto que parceria público-privada pode ocorrer no âmbito da construção e gestão de estabelecimentos de ensino.

Por fim, alvissareiro ressaltar que a discussão sobre educação não deve ser pautada pela discriminação da iniciativa privada. Esta deve ser encarada como parceira do estado e não como inimiga. A sociedade não pode perder oportunidades em razões de debates infrutíferos a respeito da presença de instituições privadas no provimento da educação. O estado precisa reconhecer que a iniciativa privada é importante na capacitação dos indivíduos e no desenvolvimento socioeconômico.

A hemorragia bolivarianista da América Latina

Durante a Cúpula das Américas, o presidente venezuelano Hugo Chávez presenteou o governante americano Barack Obama com um exemplar de As veias abertas da América Latina, do uruguaio Eduardo Galeano. Foi o suficiente para que a obra voltasse a figurar na lista dos mais vendidos. O livro, lançado em 1970, apresenta uma análise da história de exploração econômica e política nos países latino-americanos, desde a colonização até o período de regimes militares que assolaram a região na segunda metade do século 20. No começo deste mês, Galeano esteve em Pernambuco, para a conferência de abertura da Festa Literária Internacional de Porto de Galinhas (Fliporto).

Com a América Latina passando por um momento sem precedentes em sua história política, faz-se necessário uma reedição da obra de Galeano que compreenda a análise da atual conjuntura política dos países da região. Acostumada a vieses dicotômicos – quando hora era levada por regimes liberais, hora por regimes comunistas – vê-se agora envolta em um mar de más rotulações, causadas por imprecisões conceituais à luz dos velhos manuais de filosofia política. As veias da América Latina estão cada vez mais abertas, em uma hemorragia ideológica chamada bolivarianismo.

Dizem os seus próceres, o bolivarianismo segue, à risca, o ideário do libertador Simon Bolívar. Militar de alto grau, Bolívar foi o precursor do sonho da integração política da América Latina e que acalentava posições reconhecidamente socialistas românticas. Acontece que a dita nova esquerda latino-americana – leia-se Hugo Chávez, Cristina Kirchner, Rafael Correa, Evo Morales – transformou um punhado de frases de efeito e boa retórica numa mixórdia pérfida, onde em nome de proposições aparentemente legítimas se joga no lixo todos os princípios democráticos. Aliás, todos não, pois se excetua um: o sufrágio. E é no sufrágio, ou seja, no inalienável direito de voto dos cidadãos que se aboleta a grande confusão.

Os defensores da nova ordem política da América Latina asseveram que a democracia está assegurada nesses países por conta do incremento de eleições livres. Por eleições livres deve-se entender não apenas a liberdade no ato de pôr um voto na urna, ou, na versão moderna, apertar o botão verde: “confirma”. O verdadeiro voto deriva do discernimento crítico obtido pela boa educação política, fato esse cada vez mais raro nos países alicerçados sobre a égide do bolivarianismo, onde se impõe às escolas currículos ideologicamente direcionados e se caça a concessão de rádios e tvs contrários ao regime, com o objetivo de se “estatizar” corações e mentes.

Empresas admiradas e estado eficiente

A conceituada revista Carta Capital realiza anualmente pesquisa junto aos executivos com o objetivo de avaliar as marcas/empresas mais admiradas. Considero esta pesquisa muito importante, já que serve de incentivo para que as empresas continuem a perseguir as suas metas.

Inovação, responsabilidade social, compromisso com o País, compromisso com os funcionários, qualidade da gestão, qualidade de produtos e serviços, solidez financeira. Estes são alguns atributos que pesam, segundo o consultor Paulo Secches, na construção da admiração. O consultor destaca que as empresas precisam adquirir e mostrar a sua face humana.

Qualquer empresa que deseje consolidar a sua imagem no mercado e, por consequência, manter e conquistar mais clientes deve ter preocupação com os atributos apontados por Secches.

É particularmente alegre afirmar que a sociedade brasileira mudou. A exigência quanto à qualidade dos serviços por parte dos consumidores recrudesceu e muito. Hoje não adianta apenas a linguagem publicitária charmosa que chame a atenção da opinião pública. Os produtos precisam ter vários atributos além da qualidade. Precisam mostrar que estão preocupados com a inovação e que investem, acima de tudo, em responsabilidade social empresarial, gênero de que é espécie a preocupação com o desenvolvimento do consumidor, dos funcionários e da própria comunidade onde a empresa está inserida. Na atualidade, não pode mais a empresa ter uma imagem associada apenas à busca do lucro.

Por outro lado, importa destacar a crescente mobilidade social ocorrida no Brasil nestes últimos 20 anos . Esta mobilidade provocou o crescimento da classe C e, por via de consequência, contribuiu para uma maior abertura democrática. Registre-se, por oportuno, que as inúmeras eleições bem como o aumento do nível de instrução dos indivíduos foram variáveis que motivaram o mercado consumidor a olhar para as empresas e produtos de modo diferente. Um olhar no intuito de buscar a chamada responsabilidade social empresarial.

A mudança nas atitudes das empresas e da própria sociedade mostra que o capitalismo brasileiro vem se aperfeiçoando dia a dia. Este sistema econômico que é composto de indivíduos e empresas forma através de sua inter-relação o chamado mercado capitalista. Por sua vez, o estado, necessário e imprescindível para o sucesso do capitalismo, deve atuar interferindo, arbitrando ou guiando esta relação entre empresas e indivíduos.

Constatamos que as empresas e a sociedade mudaram. Entretanto, insta perquirir? Será que o estado mudou? Se a ele deve atuar como árbitro diante das relações do mercado, certamente é adequado que as suas atitudes também tenham mudado.

Com efeito, nesta linha de raciocínio, impõe-se frisar que as agências reguladoras não podem sofrer qualquer tipo de interferência política. Elas não devem ser objetos de captura política. As Agências reguladoras necessitam ser independentes e desprovidas de qualquer interesse privado-político. Nessa perspectiva, não é adequado lotear politicamente as diretorias de estatais como a Petrobras. Doutra parte, é imprescindível que a meritocracia deva reinar nas escolhas dos gestores públicos ao invés da indicação política. Noutra seara, os sindicalistas não podem interferir nos interesses dos bancos públicos, como tem ocorrido. O interesse público sempre deve predominar nessas instituições, e não o interesse coorporativo. E, por fim, a rigidez da Lei de Responsabilidade Fiscal deve ser preservada, pois só assim os gastos públicos podem ser controlados e os investimentos públicos realizados.

Por derradeiro, asseveramos que o mercado preserva as empresas admiradas pelo público consumidor. Isto é possível em razão da dinâmica capitalista, a qual é baseada no mérito e na competitividade buscando sempre a excelência. A lógica do ambiente estatal é diferente em virtude da presença de interesses corporativos e do clientelismo político nele presentes. No ambiente estatal a meritocracia e a competitividade inexistem em virtude de diversos fatores. Um deles consiste na própria isonomia funcional. Outro é a estabilidade dos funcionários. Assim como a Carta Capital faz com as empresas privadas, seria adequado buscarmos junto à opinião pública brasileira as instituições do estado mais admiradas. Por que não sonharmos com um estado eficiente? Se o capitalismo e a sociedade brasileira mudaram, é chegado o momento do estado também mudar.

Avanços na segurança pública de Pernambuco

O Governo do Estado está de parabéns. Há um bom tempo existia a expectativa quanto à redução da frequência do homicídio em Pernambuco. A queda no número de assassinatos chegou a 22,34% na comparação entre os primeiros nove meses deste ano com o mesmo período de 2008. A meta de redução de 12% no índice de homicídio, que foi prometida pelo governador, deve ser alcançada até o final do ano.

No entanto, para que isso acontecesse, diversas ações foram implementadas pelo governo. A terceirização das viaturas das Polícias aumentou em muito a sua presença nas ruas. O governo concedeu aumento de salários aos policiais. Contratou mais policiais militares. Promoveu oficiais e delegados. E o principal: segundo me informaram, o governador se reúne mensalmente com os diversos gestores da segurança pública e cobra resultados.

Por outro lado, é alvissareiro assinalar que diversas operações da Polícia Civil estão sendo realizadas com o objetivo de desmantelar grupos criminosos. Digno de menção também é o fato de que o setor de inteligência das polícias civis e militares tem mostrado muita eficiência. Eu, particularmente, fico muito satisfeito quando encontro blitz das Polícias Civil e Militar em diversos locais do estado. É que as blitz trazem para a população a sensação de segurança e mostram que as Polícias estão trabalhando.

Tudo isso é motivo de orgulho e de comemoração. Contudo, precisamos melhorar muito mais, visto que existem ainda diversas delegacias que fecham no período da noite e nos finais de semana, além de diversas outras estarem totalmente desaparelhadas. Delegacias precisam estar sempre abertas e bem equipadas. Delegados são os responsáveis perante o nosso sistema criminal pela condução do inquérito, instrumento essencial e indispensável que possibilita a punição dos criminosos perante a justiça. Com efeito, delegacias bem aparelhadas e abertas ao público, com delegados motivados e bem remunerados, possibilitam uma maior punibilidade aos criminosos.

Não poderia deixar de registrar que, na minha ótica, visualizo alguns problemas estruturais nas Polícias Militar e Civil. Imagino que a Polícia Militar sofre de excesso de hierarquia. Como empresário que sou, registro que o excesso de hierarquias dificulta e emperra as etapas necessárias para a eficiência da gestão. Portanto, urge repensar a quantidade de hierarquias da respeitada Polícia Militar de Pernambuco. Ressalto, por outro lado, que pesquisa recente do Instituto Maurício de Nassau mostrou que a Polícia Militar tem o respeito e a admiração da população pernambucana.

Em relação à Polícia Civil, enfatizo ser necessário procurar ampliar as Delegacias de Plantão. Além disso, a estrutura dos Departamentos de Homicídio e de Narcotráfico deve receber investimentos constantes. Os policiais precisam estar motivados e qualificados. Por isso, é importante a definição de uma política salarial para ambas as Polícias. Esta política deve garantir aumentos anuais. O policial precisa saber o aumento que receberá ano a ano. Isso, certamente, consubstanciará em um incentivo. Não podemos esquecer que são os policiais que estão na linha de frente do combate ao crime organizado. Estes precisam estar sempre treinados e também satisfeitos com e na sua profissão.

Não posso deixar de lembrar que não são apenas as Polícias os únicos responsáveis por um sistema de segurança pública eficiente. Os demais órgãos como o próprio Ministério Público e também o Poder Judiciário possuem funções estratégicas e essenciais em um eficaz sistema de segurança e de justiça. Ademais, não podemos esquecer que a própria sociedade organizada também tem que exercer o seu fundamental papel, qual seja, o de gerar um ambiente de vida mais seguro, cumprindo e fazendo cumprir as leis e as regras de condutas. A busca por um sistema de segurança pública eficiente é responsabilidade de todos nós.