Perfil

Nasceu em 21 de março de 1964, em uma pequena cidade do sertão da Paraíba. Aos cinco anos, seus pais se mudam para Mato Grosso e, depois, para Rondônia.(...)
Saiba mais.

Vale a pena

Histórico

Arquivo de ‘Diversos’

Responsabilidade social e a contribuição das IES para um país melhor

Hoje, 17 de setembro, começa a 14ª edição da Semana da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular. Até o próximo sábado (22), centenas de instituições de educação superior de todo o Brasil realizarão milhares de atividades com foco em diversas áreas, como saúde, justiça, lazer, cultura e meio ambiente. Em comum, todas visam a promoção do bem-estar da comunidade acadêmica e também dos indivíduos que vivem nos locais onde as instituições estão localizadas.

Desenvolvida pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), a iniciativa integra um projeto mais amplo: a Campanha da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular, que contempla atividades realizadas ao longo de todo o ano por IES brasileiras, públicas e particulares, associadas ou não à entidade.

Mais do que um conceito, responsabilidade social é uma prática constante no dia a dia das instituições particulares de educação superior brasileiras. Sabedoras de que a formação de profissionais e cidadãos conscientes das suas atribuições para a construção de um país mais justo é a sua maior responsabilidade social, as IES não se furtam de intensificar essa atuação por meio de ações que ultrapassam os limites delimitados por seus muros.

Desde que foi criada, em 2005, a Campanha da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular já resultou em quase 15 milhões de atendimentos à comunidade viabilizados por mais de 81 mil atividades. Apenas em 2017, de Norte a Sul, de Leste a Oeste deste país continental, foram 904 instituições de educação superior envolvidas na iniciativa.

Orientação jurídica; atendimento odontológico; checagem de pressão e de índice glicêmico; circuitos interativos de recreação; recolhimento de lixo eletrônico; campanhas de arrecadação de livros, alimentos, roupas e brinquedos; oficinas de atividades culturais; palestras e feiras de adoção de animais são apenas algumas das inúmeras ações desenvolvidas pelas instituições ao longo de todo ano e que se intensificam durante a Semana da Responsabilidade Social.

Os benefícios são incalculáveis tanto para quem atua como voluntário quanto para quem usufrui das atividades promovidas pelas IES. Por exemplo, para os quase 400 mil alunos que participaram da última edição, além contribuir para o desenvolvimento de uma consciência social, o contato com a comunidade proporcionou, na maioria dos casos, a oportunidade de colocar em prática parte do conteúdo teórico aprendido em sala de aula.

Para a população atendida, um sorriso mais bonito, a segurança de saber quais caminhos trilhar na busca por direitos, a satisfação de contribuir para a preservação do planeta ou a tranquilidade de saber que a saúde está em dia ou qual especialista procurar são apenas alguns dos desdobramentos dessa ação que mobiliza centenas de milhares de pessoas a cada ano, incluindo técnicos e professores das instituições de ensino.

Todos esses resultados somente são possíveis graças à representatividade e à relevância que as instituições particulares de educação superior possuem não somente no contexto educacional, mas no processo de transformação do Brasil em uma nação menos desigual e mais tolerante, inclusiva e sustentável.

O sonho de chegar à marca de 1 trilhão de dólares

A maior parte dos empresários que monta o seu negócio do zero, ou que adquire pelas circunstâncias de mercado, sempre sonha em colocar a sua empresa nos mais altos patamares do mundo dos negócios. Desta forma, torná-la uma empresa global, referência no segmento, com foco em inovação e conceito de credibilidade, passa a ser a principal meta dos gestores que possuem visão de futuro.

Leia mais… »

Entrega de Insígnia

O Superior Tribunal Militar (STM) concedeu, nesta quarta-feira, 22, a Ordem do Mérito Judiciário Militar. O empresário e jurista Janguiê Diniz, fundador do grupo Ser Educacional e que atuou por 20 anos como procurador do Trabalho, foi um dos agraciados. A comenda foi instituída em 1957 como forma de reconhecimento a pessoas e instituições, públicas ou privadas, que contribuíram com a Justiça Militar da União. A cerimônia ocorreu na sede do STM, em Brasília.

Como tomar decisões rápidas

Você já perdeu uma oportunidade por que não conseguiu tomar uma decisão a tempo? A maioria de nós já passou por isso. Sempre queremos tempo para analisar as possibilidades, pensar nas consequências, fazer a melhor escolha, mas nem sempre dispomos desse tempo. Principalmente no mundo empresarial, muitas vezes é preciso fazer escolhas em um tempo curto. E como fazer isso de maneira rápida? A resposta para isso é simples e complexa ao mesmo tempo: prática. A prática na tomada de decisões leva você a se aperfeiçoar na técnica e, assim, conseguir escolher mais rapidamente e de maneira mais acertada.

Leia mais… »

Como desenvolver a coragem

Muitos até preferem negar, para parecerem mais corajosos, mas a verdade é que todo mundo já sentiu medo em alguma situação. Medo de agir, medo de falar, medo de se arriscar em algum empreendimento. O medo é natural e inerente à natureza humana. Ele é até bom, pois nos faz agir com cautela. O que não podemos deixar é que ele nos impeça de agir. Ele não pode ser maior que sua vontade de seguir em frente. Para vencer o medo, é preciso coragem.

A coragem não é a total ausência de medo, mas é não ceder ao medo, é manter-se em movimento mesmo na insegurança. É se libertar das amarras que lhe prendem no lugar. É conseguir agir apesar do medo. Tentar fugir do medo, ou disfarçá-lo, só o torna mais forte.

Nossa cultura nos ensina que demonstrar emoções é sinal de fraqueza. O efeito prático, no entanto, é justamente o contrário: o medo e essas emoções são potencializados. Não dê tempo ao seu cérebro para criar esses argumentos. Em alguma situação que você sabe que pode ter medo, procure não pensar muito e apenas agir. Quanto mais você pensa, mais tempo o medo tem para tomar conta do seu pensamento e lhe deixar em estado de paralisia.

Para desenvolver a coragem, você precisa, antes de tudo, se conhecer. Saber quais são suas limitações e suas habilidades, além de pensar no que é realmente importante para você, ajuda a criar coragem para assumir posturas diante das situações da vida. Uma boa estratégia é tentar entender seus medos, de onde eles vêm, porque acontecem e porque lhe impedem de seguir. Conhecendo-os, fica mais fácil de lutar contra eles. O mais importante é mudar de atitude. Reveja seus erros, suas fraquezas e gere mudanças.

É muito comum termos medo em nossas carreiras profissionais. Medo de mudar de emprego, medo de abrir um negócio próprio, medo de errar, medo até de assumir uma posição superior no trabalho. Mas ele não pode impedir seu progresso e seu desenvolvimento profissional. Se você recebe uma proposta profissional ou tem um desejo, é porque você tem qualidades que chamam atenção da pessoa ou organização que lhe fez o convite.

Para lutar contra o medo, é importante ter uma mudança de pensamento. Pare de pensar no que tem a perder, no que pode dar errado, e comece a focar nos benefícios que terá como resultado. Você precisa avaliar se os prós são maiores que os contras de uma decisão. Se forem, de fato, mais vantajosos, é hora de vencer esse medo e seguir em frente.

Depois de mudar o pensamento, você precisa mudar suas ações. Vá vencendo seus pequenos medos, aquelas situações mais simples do dia a dia, que, aos poucos, você se tornará mais corajoso e, enfim, se sentirá apto a vencer seus maiores medos. A coragem não é algo que se cria da noite para o dia, mas um processo de autodescobrimento que vai lhe tornar melhor.

Jantar festivo – 36 anos ABMES e anúncio dos vencedores do Prêmio ABMES de Jornalismo (2ª edição)

Discurso do diretor presidente Janguiê Diniz

Prezadas senhoras, prezados senhores.

Muito boa noite!

-O que nos traz a este belíssimo salão são duas ocasiões que muito me alegram: festejar os 36 anos da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior e premiar os vencedores da 2ª edição do Prêmio ABMES de Jornalismo.

-Há 36 anos, a ABMES foi criada a partir da postura visionária de homens e mulheres que acreditavam no potencial do setor particular de educação superior enquanto agente indutor da economia nacional e também do desenvolvimento social.

Leia mais… »

Seminário especial – O papel da educação para fortalecimento do estado democrático

Discurso do diretor-presidente Janguiê Diniz

SENHORAS E SENHORES.

-É com grande satisfação que os recebemos neste seminário especial. Estamos aqui com o objetivo de debater o papel da educação para o fortalecimento do Estado Democrático de Direito. Trata-se de uma pauta de extrema relevância, já que não existe verdadeira democracia sem uma população devidamente instruída e capacitada para exercer a cidadania em toda a sua plenitude.

Leia mais… »

Novos públicos requerem novas empresas

As relações de consumo têm mudado muito e de forma bastante acelerada nas últimas décadas. Se, antes, para adquirir qualquer coisa, era necessário ir a uma loja; e, posteriormente, vieram as vendas por telefone; hoje, boa parte das transações já é feita pela internet. Acontece que essas relações de consumo – e o próprio relacionamento das marcas com seus clientes – têm sofrido alterações não mais por causa das tecnologias (ao menos não diretamente), mas por mudanças no próprio perfil do público consumidor.

Leia mais… »

O perfil da geração Centennials

Antigamente, as gerações eram classificadas a cada 25 anos. Hoje em dia, no entanto, as coisas mudam cada vez mais rápido. A Geração Z, também conhecida por Gen Z, iGeneration, Plurais ou Centennial, é aquela constituída por pessoas que nasceram durante o advento da internet e já não conseguem imaginar viver num mundo onde todas as coisas não estejam conectadas num ambiente online e com troca de informações em tempo real.

Leia mais… »

O Brasil e o atraso no desenvolvimento digital

Há alguns anos, não era possível que o padrão de consumo fosse estimulado junto a uma política de desenvolvimento sustentável. Equilibrar o uso dos recursos naturais com a política de produção era tido por países desenvolvidos como impossível.

Leia mais… »