Perfil

Nasceu em 21 de março de 1964, em uma pequena cidade do sertão da Paraíba. Aos cinco anos, seus pais se mudam para Mato Grosso e, depois, para Rondônia.(...)
Saiba mais.

Vale a pena

Histórico

Quem disse que não sabemos votar?

Pelé ficou famoso por sua genialidade com as bolas nos pés. E quase tão famoso pela infelicidade de suas declarações. Talvez, a mais famosa delas tenha sido a frase: “brasileiro não sabe votar”. Foi dita nos anos 70, ao ser questionado sobre a decisão dos governos militares de suspender eleições diretas para cargos do Executivo. Eram outros tempos. Vivíamos sob regime de exceção. A Imprensa estava amordaçada, os movimentos políticos e estudantis reprimidos, enfim todas as garantias constitucionais suspensas. A realidade é que diante dos fatos vividos na política brasileira, após a volta da democracia, temos que admitir que muitas pessoas ainda pensam como o Pelé.

Mas o eleitor brasileiro de hoje é diferente do eleitor daquela época. Não só porque a situação política do País mudou, mas porque ele é mais informado e experimentado. Tem mais prática. Um eleitor de apenas 25 anos pode ter votado mais de 20 vezes se considerarmos primeiro e segundo turno e dois plebiscitos, um sobre posse de armas e outro sobre forma de governo. Um eleitor com 42 anos pode ter votado 60 vezes. Com isso, é um eleitor experimentado, com prática democrática. Tem capacidade de discernir e avaliar se uma campanha é autentica ou ficcional. Tem acesso a informação. Hoje, mais de 63 milhões de brasileiros tem acesso à Internet e uma grande parte deste universo é composta por jovens. O eleitor moderno, em especial das gerações X e Y, não concorda em receber a informação passiva dos políticos. Ele quer participar e interagir.

Na eleição de Obama, em 2008, pudemos testemunhar a força da web no engajamento e mobilização dos jovens em sua campanha. E na próxima campanha eleitoral o Brasil não ficará à margem dessa plataforma. Novas ferramentas como o Twitter, serão um ingrediente a mais nas campanhas de 2010.

Para o público mais politizado há os blogs e sites especializados, como o Transparência Brasil, Congresso em Foco, Contas Abertas, Vote na Web e Bovap-Bolsa de Valores Políticos, entre outros, que ajudam na resolução de um grande problema brasileiro, a memória política, ou melhor, a falta dela.

A ONG Transparência Brasil, criada há 10 anos, tornou-se uma referência na cobertura do segmento político. O Vote na Web, lançada em novembro passado disponibiliza as propostas dos parlamentares em votação, permitindo aos cidadãos conferir se estes parlamentares representam realmente seus anseios. Já a ONG Contas Abertas fiscaliza e analisa se as leis eleitorais estão sendo cumpridas, e a Bolsa de Valores Políticos (BOVAP) faz a cotação da imagem pública dos políticos.

Todos esses sites e a utilização das redes de relacionamento são reflexos de uma sociedade mais participativa, onde o fluxo de informação dentro do ambiente político esta cada vez mais verdadeiro e democrático.

Mas, voltando à pergunta que não quer calar: será que todo brasileiro sabe votar ou apenas uma minoria privilegiada sabe exercer seu poder cidadão?

O cientista político Alberto Carlos Almeida, da FGV, em seu livro “Reforma Política: Lições da História Recente” revela que 71% dos eleitores esqueceram em quem votaram para deputado federal quatro anos antes, sendo que esta “amnésia eleitoral” é maior entre os de menor escolaridade.

Nossa sociedade passa por mudanças constantes, como nossa jovem democracia, que ainda mostra traços oscilantes quando analisada sob o ponto de vista da ditadura econômica que nossos governantes vêm implantando ano após ano.

Falsas, ou mal versadas, políticas sociais e de educação têm gerado uma nova classe ainda não preparada para o verdadeiro exercício da cidadania: o voto. A baixa escolaridade, o assistencialismo do estado que não gera emprego, mas tende a criar uma cultura de estado-dependência nos faz lembrar o Coronelismo e uma de suas piores características, o Voto de Cabresto.

A declaração polêmica de Pelé há 40 anos, durante o Regime Militar, talvez possa ser atualizada para: infelizmente, nem todo brasileiro ainda aprendeu a votar.

2 Respostas para “Quem disse que não sabemos votar?”

  • Paulo Luiz Mendonça.:

    Tipos de eleitores.

    No nosso país temos a grosso modo, dois grupos de eleitores.
    O primeiro grupo são aqueles eleitores que se interessam pela política, não interesse particular, mas sim o interesse coletivo, para votar procuram saber as origens dos candidatos, suas propostas, e principalmente seu passado e sua ficha se esta limpa, infelizmente são minoria.
    O segundo grupo, infelizmente são maioria, são aqueles que casam com um partido ou com um político, fazendo votos de( até que a morte nos separe). Existem vários exemplos para esta afirmação. Durante minha vida conheci Getulistas ferrenhos, Janistas apaixonados, Ademaristas enlouquecidos, Coloristas cheios de fé, Malufistas deslumbrados com o rouba, mas faz, e ultimamente temos os lulistas ou petistas não importa os nomes.
    Toda essa euforia continua até que a morte os separe, mesmo quando é provado o envolvimento em corrupção destes mencionados, a fidelidade continuará até o túmulo. Sendo assim podemos confiar nestes eleitores para escolher alguém decente para cargos público, a resposta é não, enquanto este tipo de eleitor for maioria no Brasil não teremos nunca um resultado satisfatório.

    Paulo Luiz Mendonça.

    • renato xavier:

      respeito as pessoas que são contra as eleições por convicção , mesmo não concordando com as mesmas, porém Pelé dizia por conveniência, não precisamos de eleições, mas precisamos de uma copa? quando não se votava para o executivo( governo, presidencia e prefeitos de capitais) quem votava era o colégio eleitoral ou seja, o congresso, a eles você daria o seu direito de voto?

Deixe um comentário para renato xavier